banner

banner

sábado, 13 de maio de 2017

Mônica Moura delata esquema de caixa 2 em campanha no RN

MONICA MOURA
A Justiça Federal em cinco Estados, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o próprio Supremo Tribunal Federal (STF) são os destinos dos pedidos de providência encaminhados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) à Corte com base nas delações dos marqueteiros João Santana e Monica Moura e de André Santana, funcionário do casal. Sem contar os estrangeiros, dezesseis políticos brasileiros são citados em 21 petições – a 22ª ainda não teve o conteúdo divulgado.
No Rio Grande do Norte, o político implicado é o ex-governador Fernando Freire, que em 2002 teve como marqueteiros na sua tentativa de reeleição os dois delatores. Segundo Mônica Moura, o valor combinado pelo serviço na época não foi pago.
Mônica Moura dá detalhes sobre pagamentos ilícitos de serviços de publicidade e marketing contratados para a campanha do ex-governador, pelo PMDB, em 2002. A marqueteira disse que recebeu parte dos pagamentos em Natal, e que Freire assinou uma nota promissória que nunca foi paga. Mônica também contou que tem, até os dias de hoje, documentos que comprovam esses encontros, além da referida nota promissória.

Nenhum comentário:

Postar um comentário