banner

banner

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Audiência na Assembleia discute Política Estadual de Negócios de Impacto Social

O cenário atual, os desafios e as oportunidades geradas pela Política Estadual de Investimentos e Negócios de Impacto Social foram discutidos em audiência pública, na tarde desta terça-feira (27), na Assembleia Legislativa. Proposto pelo deputado Hermano Morais (MDB), o debate fez parte do programa de ações da Frente Parlamentar em Defesa do Comércio, Indústria, Turismo, Serviços e Empreendedorismo.

“Nosso objetivo hoje é pensar em maneiras de criar condições para capacitar e estimular as pessoas que buscam trabalho a montarem seu próprio negócio, a fim de que tenham sucesso como empreendedoras e possam viver com dignidade”, explicou Hermano.

Para Mona Paula da Nóbrega, gestora de projetos de negócios de impacto social do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), “os problemas sociais e ambientais estão em todos os lugares e a intenção é que os empreendimentos olhem para essas dificuldades e tentem achar soluções práticas para elas”. Ainda segundo a gestora, uma empresa desse modelo precisa ser autossustentável e lucrativa ao mesmo tempo.

Sobre as iniciativas do Sebrae em relação a esses negócios, Mona Paula da Nóbrega explicou que são ministrados cursos de capacitação para empresas, consultores, colaboradores e clientes; que o Sebrae possui projetos de extensão em nove universidades do Estado; e que a instituição ainda conta com eventos promovidos por parceiros do projeto, ajudando a disseminar os conhecimentos.

Ainda de acordo com a gestora, ao fazer o mapeamento do Rio Grande do Norte, foram identificadas cerca de 33 empresas no Estado com esse perfil de impacto social. Ela destacou também a realidade atual do mercado, em que muitas empresas querem investir, mas há poucos projetos qualificados para receber esses investimentos.

Já o empresário potiguar Afrânio Miranda, presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Norte (FCDL), falou da importância do apoio estatal e da sustentabilidade.

“O Estado do Rio Grande do Norte e o País precisam de políticas para que a pessoa possa produzir e ao mesmo tempo se sustentar. E também não basta empreender. É preciso fazer isso de maneira responsável, olhando o social e o ambiental. O empreendedor deve olhar para todos os lados e para as futuras gerações”, frisou o empresário.

A gerente executiva do Inova Metrópole, Parque Tecnológico pertencente ao Instituto Metrópole Digital (IMD) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Iris Gurgel, destacou a importância de projetos como esse para a sociedade potiguar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário