banner

banner

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Audiência discute entraves na atividade ceramista do Rio Grande do Norte


Na intenção de discutir as prioridades e as necessidades do setor ceramista do Rio Grande do Norte enfrenta, o deputado Hermano Morais (PMDB) reuniu empresários, representantes do poder público e da sociedade civil em audiência pública, nesta quinta-feira (6), no auditório da Assembleia Legislativa. 

O objetivo do deputado Hermano Morais quando idealizou a audiência foi de contribuir para a formalização de parcerias e novas formas de aperfeiçoamento visando o avanço na produtividade. O trabalho dos órgãos fiscalizadores diante da atividade econômica foi o principal foco da discussão.

De acordo com Hermano Morais, essa discussão se faz necessária para que se tenha condições de mapear esse setor tão importante para a economia do estado. “As cerâmicas foram ameaçadas de fechamento pelos órgãos ambientais, já que a maioria dos ceramistas não estavam em condições de fazer investimentos que as fiscalizações exigiam. Hoje temos 160 empresas em funcionamento. O que pretendemos é encontrar soluções satisfatórias que não ocasionem o fechamento dessas empresas”, explicou.

O presidente do Sindicato da Indústria Cerâmica para Construção do Rio Grande do Norte (SINDICER-RN), Pedro Terceiro de Melo, ressaltou que todas as dificuldades enfrentadas pelo estado implicam também no aumento dos problemas para o setor ceramista. “Fazemos parte de uma economia e estamos tentando manter o setor e evoluir, mas sabemos que o momento, para as empresas de modo geral, não só cerâmico, é um momento muito delicado. Diante desse quadro econômico do RN, estamos recebendo muitas fiscalizações e algumas delas nos deixam desconfortáveis por serem muito difíceis de serem atendidas. Entendemos que devemos obedecer as leis, mas esperamos fazer isso de forma que possamos manter nossas empresas funcionando. Nosso desejo é de dialogar. Estamos certos de que devemos fazer alguma coisa para compensar as degradações ambientais, mas que seja também viável para a gente”, disse.

De acordo com ele, o setor cerâmico mais importante do mundo é o da China e o segundo, é o do Brasil. Em relação ao Nordeste, o RN está terceiro lugar, perdendo  somente para os estados da Bahia e do Ceará. O setor potiguar gera em torno de 6 mil empregos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário